Surto de conjuntivite: Prefeitura alerta população e dá orientações sobre sintomas e prevenção

A Prefeitura por meio da Secretaria Municipal de Saúde em todos os setores, manifesta preocupação com o quadro atual da conjuntivite em Sidrolândia.

A enfermeira Tatiane Nantes, coordenadora Municipal de Atenção Básica da Secretaria Municipal de Saúde, e a enfermeira Viviane Famea, chefe do setor de Vigilância Epidemiológica, informaram que já são 500 casos da doença, número que deve ser maior porque muitas vezes apenas uma pessoa da família procura atendimento médico, enquanto que outros membros infectados não vão às unidades de Saúde e preferem se automedicar com o mesmo colírio utilizado pelo paciente que passou pela consulta.

Prevenção e sintomas mais comuns e transmissão

Elas orientaram a população sobre práticas que podem controlar os riscos de contágio ou agravamento do processo inflamatório causado pela conjuntivite.

A transmissão pode ser evitada se alguns cuidados forem tomados: não compartilhar objetos de uso pessoal, não utilizar as chamadas ‘toalhinhas’ ou lenços de tecido, não coçar os olhos, lavar as mãos com frequência com água e sabão ou usar álcool em gel 70%, evitar banhos de rio ou piscina, evitar aglomeração.

Os sintomas mais comuns são: irritação e vermelhidão no olho, inchaço na pálpebra, sensação de areia nos olhos, intolerância à luz, aumento da secreção ocular e lacrimejamento.

A aplicação do colírio ajuda a amenizar o desconforto provocado pelo processo infeccioso. A utilização de óculos não cura, mas evita o incômodo causado pela luz.

A recomendação é para que a pessoa com os sintomas procure uma unidade de Saúde para receber atendimento médico, e não use medicamentos sem orientação.

Transmissão proposital

A Secretaria Municipal de Saúde recebeu relatos de pacientes nos postos, de que há crianças buscando propositalmente contrair conjuntivite, para se ‘beneficiar’ com atestado médico de cinco dias e desta forma não precisar ir à escola.

Casos semelhantes estariam ocorrendo com trabalhadores, no caso, para se afastar das atividades no período previsto pelo atestado.

A conjuntivite pode oferecer riscos maiores à saúde ocular, com agravamento de quadro infeccioso e até mesmo a cegueira. Desta maneira, a recomendação é para que o cidadão busque o atendimento nos postos.

Colírio em falta

Tatiane Nantes revelou que o estoque de colírio comprado pela Prefeitura disponível para o ano todo, se esgotou em 15 dias na rede pública de saúde. Ela informou que nas farmácias em Sidrolândia já há escassez do medicamento, e que cidades do entorno, como Campo Grande, vivem o mesmo dilema.

O surto de conjuntivite ocorre este ano em diversos municípios de Mato Grosso do Sul.

Com informações ASCOM Prefeitura Municipal de Sidrolândia

Algum comentário?

%d blogueiros gostam disto: